Ex-analfabeta faz campanha para ampliar biblioteca criada por ela


Mesmo sem saber ler e escrever, Nice abriu a biblioteca para afastar violência da comunidade (Foto: Luna Markman/G1)
Mesmo sem saber ler e escrever, Nice abriu biblioteca para
afastar violência da comunidade (Foto: Luna Markman/G1)
Cleonice da Silva era dona de casa e tinha uma filha adolescente. Estava preocupada com a violência na comunidade onde mora, Caranguejo Tabaiares, na Ilha do Retiro, no Recife. O ano era 2005, quando, por meio de um trabalho com idosos, conheceu a diretora de uma escola mantida pela Universidade de Pernambuco (UPE), que lhe deu uma boa ideia para superar a angústia no peito. Mesmo sem sabe ler ou escrever, Nice, como é conhecida, abriu uma biblioteca comunitária.

Os livros vieram de doações de professores e alunos da universidade, cerca de 800, no total. O aluguel do espaço era pago com dinheiro que Nice conseguia vendendo doces e salgados. O imóvel foi reformado com ajuda de parceiros que conseguiu junto com a UPE. Sete anos depois, a iniciativa colhe frutos. O local está sempre lotado de crianças, que preferem pegar um livro a ficar de bobeira na rua. Hoje, a luta é para ampliar o espaço. O novo prédio já começou a ser construído, a poucos metros da sede atual, mas falta dinheiro para concluir o sonho.

Não cabe mais nada na Biblioteca Comunitária Caranguejo Tabaiares, que ocupa pouco mais de 30 metros quadrados. Nem livros - atualmente, são quase 4,5 mil que lotam estantes e caixas -, nem a garotada, já que o espaço registra uma média de 60 visitas por dia. Kemilly Silva, 8 anos, é frequentadora assídua. Acabou de ler "O Pequeno Polegar" e sabe contar a história todinha. "Minha mãe diz que eu estou ficando mais esperta agora", orgulha-se.

Danrley Silva, 15 anos, gosta de ler para conhecer outros 'mundos' (Foto: Luna Markman/G1)
Danrley Silva, 15 anos, gosta de ler para conhecer
outros 'mundos' (Foto: Luna Markman/G1)
Leitura x violência
O local abre nos três turnos, de segunda a sexta-feira. O imóvel tem apenas três salinhas para acomodar tudo e todos, e um banheiro. Não há ar-condicionado. Ninguém paga nada para pegar um livro emprestado. Basta fazer o cadastro e devolver o empréstimo no prazo de uma semana. Quase não há atrasos na entrega. Para pegar outra obra, só estando com a ficha limpa.

Nice também conhece todo mundo na comunidade, mora lá há 40 anos, é capaz de buscar o livro na casa da pessoa se houver atraso. E foi por gostar tanto de Caranguejo Tabaiares que ela resolveu montar a biblioteca. "Aqui, naquela época, morriam três, quatro adolescentes por mês, fora o crack. Me preocupava, isso. Os meninos largavam da escola e iam para rua, não tinham opção. Vinha um traficante e pronto. Agora, muitos passam horas aqui, e a violência diminuiu muito", acredita.

Nice tem 55 anos e conta que, há cerca de cinco, começou a estudar. "Minha família era pobre, e tive que trabalhar para sustentar minha filha. Às vezes pensava, 'e se alguém pedir para eu ler alguma coisa, eu não vou saber'. Agora, sei ler e escrever. Gosto mais de livros de receita, já que trabalho cozinhando", afirma.

A biblioteca tem livro de receitas, mas o forte é literatura infantil. É por essas prateleiras que Danrley Silva, 15 anos, busca a próxima leitura. Desde criança frequenta o espaço. Um dos livros de que mais gostou foi "O Patinho Feio". "[Gostei porque] É uma história humilde, como a minha. Aprendi que não vale julgar ninguém pelas aparências, como já aconteceu comigo, por morar aqui", ensina. "Peter Pan" também está na lista dos favoritos. "É que mostra um mundo diferente do meu, cheio de aventuras", explica.

Jully ensina palavras em francês para Kaylane, 9 anos (Foto: Luna Markman/G1)
Jully Almeida ensina palavras em francês para Kaylane
Milet, 9 anos (Foto: Luna Markman/G1)
Voluntários
Nove pessoas trabalham na biblioteca. Eles dividem cinco bolsas de incentivo. Nem vale a pena dizer quanto fica para cada um. O que vale mesmo é o amor que têm pelo trabalho. É por isso que Mayara Silva, 19 anos, está lá, todos os dias, fazendo de tudo um pouco, há quatro anos. "Adoro contar histórias para as crianças, e tem umas que realmente cativam a gente. Sabemos que em casa apanham, sofrem violência, mas vêm aqui se divertir", comenta.

Mayara adora ler Pedro Bandeira. O livro "A Marca de Uma Lágrima" é o predileto dela. A jovem faz cursinho pré-vestibular, quer tentar uma vaga em Biblioteconomia ou Design Gráfico. Imaginem o por quê? "É que aqui eu organizo o acervo e também mantenho o blog da biblioteca", conta, aos risos.

A estudante de Pedagogia Jully Almeida também trabalha no local e desenvolve um projeto bem bacana: um intercâmbio com a biblioteca de Rua de Nantes, em Paris. "Os franceses mandam livros para cá e o meninos daqui produzem material para eles. É muito legal. Adoro contar histórias em francês para eles. Já produzimos até uma peça", disse.

Para isso, Jully está aprendendo a língua estrangeira e aproveita para ensinar às crianças, como Kaylane Milet, 9 anos. "Já sei contar números, perguntar 'comment tu t'appelles?' [como você se chama?], falar bonjour [bom dia], várias coisas. Às vezes me 'amostro' um pouqinho, mas só para meus pais", entrega Kaylane.

Obras para nova biblioteca avançam lentamente (Foto: Luna Markman/G1)
Obras para nova biblioteca de Caranguejo Tabaiares
avançam lentamente (Foto: Luna Markman/G1)
Lentidão nas obras
O novo espaço para a Biblioteca Comunitária de Caranguejo Tabaiares já tem terreno e as obras começaram, mas se arrastam com dificuldades ao longo de mais de um ano. Faltam materiais de construção e dinheiro para custear a mão de obra, valor estimado em R$ 200 mil. O imóvel está sendo construído junto com o Clube dos Idosos Unidos Venceremos, que pertence à mesma comunidade e também vai usar o espaço para as suas atividades.

Para doar materiais de construção, é possível em contato com a empresa M5 Contabilidade e Consultoria Empresarial, que funciona no mesmo bairro, e resolveu organizar uma campanha que segue até dezembro de 2012. O telefone é             (81) 3231-4708      .

Doações em dinheiro podem ser realizadas com depósito na conta poupança do Clube de Idosos Unidos Venceremos: Banco do Brasil, agência 1833-3, Conta-poupança 24.332-9, variação 51. Outras informações estão disponíveis no blog da biblioteca.

Fonte G1

Gostou? Compartilhe nas redes sociais


Ajude a divulgar o nosso trabalho, curta a página do blog no facebook rapidinho!

Um comentário até o momento, comente você também!.

  1. Anónimo says:

    Por que ela não manda uma carta para o programa Caldeirão do Huck? O quadro Lar Doce Lar tem ajudado tanta gente.

Deixe seu comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...